quinta-feira, 31 de maio de 2012

Um meio sarcástico

Alcancei o fundo do poço. Para aqueles que desejaram isso, minhas sinceras felicitações.
Mas aposto que vocês não contavam com a minha astúcia! Vou cavar o mais fundo possível, até achar um lençol freático de água quente e ficar lá de boa flutuando.
O segredo é tomar banhos quentes, ficar em posição fetal e cantar - cantar muito, cantar alto, deixar a alegria entrar por todos os poros, afastar o escuro e colocar um sorriso na cara.

Mas até eu terminar de cavar e achar a água quente, me dou o direito de ficar triste por um tempo. Ninguém é de ferro.
Para piorar a situação, meu cabelo está feio.

#chatiadíssima

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Treze palavras

 
 Escondo minha vontade de você entre vários "não vou te cobrar nada" e outros tantos "fica tranquilo" e assim vamos vivendo. Não que essas frases sejam mentiras, porque não vou te cobrar nada, de fato, e sua tranquilidade é algo que desejo bastante. É só que às vezes sinto um impulso louco de te ligar e falar que te quero, e muito, e agora. Desisto de fazer isso porque não quero me constranger e também não quero te deixar constrangido. Mas sempre vou achar que falar o que estou sentindo, na medida do possível, é algo necessário e que faz eu me sentir melhor comigo mesma. Um dia te pago uma cerveja e te conto toda a triste história da minha vida, sobre como já me ferrei tanto por não falar nada para ninguém.
Só quero sucumbir ao desejo de te ouvir, tocar e conversar a noite toda. Na verdade, cozinhar para você é uma ideia da qual gosto muito (e tem muitas outras ideias sobre as quais penso e gosto muito. Você está em todas elas).
Eu te olho nos olhos e, pela primeira vez, te peço algo: entra e faz o estrago que você quiser fazer. Eu te abro todas às portas e você fique à vontade. A casa é sua, afinal...

sábado, 5 de maio de 2012

(tentando achar um título)

Faz um dia bonito, o sol esquenta, a grama sorri para mim e o céu está lindamente azul. Por que você não me leva para passear?
Semana passada, comprei um vestido bonito só para quando os dias quentes e belos chegassem perto e você resolvesse que está um dia bonito para a gente flanar. O programa, não sei bem; deixo por sua conta. Eu pensaria em um piquenique no parque, em um tocar de violão em uma praça, em um vamos-tomar-sorvete numa sorveteria a céu aberto. Não sei como é sua relação com a natureza, mas algo em você e algo em mim me diz que ela é muito da bonita, então acho bem capaz de você não rejeitar minhas sugestões para um passeio nem nada.
Então façamos assim, a gente chega a conclusão de que hoje o dia é nosso, você passa aqui em um balão de ar colorido e a gente vai de lá para cá. Eu levo minha máquina e tiro fotos suas (por mais que você tente se esquivar), você pode me sujar de creme ou de tinta e a gente só vai ficar o dia todo dando risada.
Vamos falar de coisas felizes. Conte dos casos da sua infância, diga coisas que vão me fazer rir, eu vou ficar fazendo palhaçada até escutar sua gargalhada danada de bonita ressoando aos quatro ventos, porque fazer você rir me deixa muito contente e o som da sua risada é terapêutico.
Conversemos sobre a grandiosidade e a beleza sem-fim dessas coisas todas, vamos ficar chateados com os outros que não reconhecem a infinitude desse mundão lindo de meu Deus. A chateação logo passa e voltamos a fazer arte e a nos sujar, pode ficar assim combinado?


Fico feliz por ter montado uma programação tão bonita para o dia de hoje. Então tudo bem, passe aqui agora mesmo de manhã porque o mundo é muito bonito e não podemos perder um segundo sequer nessa aventura maravilhosa que vai ser explorá-lo.