terça-feira, 22 de outubro de 2013

sinastria




Os últimos meses foram de seca: seca braba, que dá moleza, preguiça, incapacidade de produzir. Foram de seca intelectual - quando a inspiração seca, a vontade de inexistir vem junto. Como viver sem inspiração, a única escapatória desse mundo mecânico e burocrático?

E aí que te vi, menino, e você era uma coisa louca. De início, assim, te vi e achei que não se interessaria por mim. Quebrando todas as minhas expectativas (um padrão que viria a se repetir, mal sabia eu), você veio, sentou ao meu lado, manso, me pediu cigarros e isqueiro. Prontamente, gentil e pisciana, os estendi.

- Qual seu signo?
- Peixes, ascendente libra, lua em peixes.
- Meu Deus!
- É, eu choro.
- Você chora. Você sofre por amor, também?

Descubro que você tem três ou quatro planetas em Escorpião. Tenho idéias. Vou te adorando gradativamente - talvez não você, em si, que desconheço, mas a caricatura de si mesmo que você me apresenta. Acho que esse sábado de conexões astrais se deu por pura sorte, ou destino, ou coincidência. Lugar certo na hora certa.

Você fala que eu pareço a menina bonita de "(500) Dias com Ela", e agradeço: polida, desconfiada - feliz. Ao mesmo tempo em que é gentil e escancara para mim uma risada boa, bonita, gostosa, me diz loucuras: em um mês, fará uma apresentação de bolero. E me quer lá, em cima do palco, porque você dedicará uma música para mim. Não acredito muito quando acordo no dia seguinte, mas mesmo assim dou risada da sua espontaneidade - quem diz essas coisas, assim, do nada, na primeira noite?

Semanas depois, descubro que você sentiu minha falta durante a referida apresentação. Fico envergonhada por achar que você seria como os outros seres desse cerrado seco e torto; desculpe-me. É que até conhecer você, eu não sabia que existiam pessoas que falavam loucuras e as cumpriam: dei uma puta sorte quando te conheci, e nem soube disso. Por sinal, não te contei ainda, mas é você quem vai fazer minha tatuagem do símbolo de peixes comigo.

A décima segunda badalada me chama, e me despeço de você estendendo a mão que você beija com malícia.

Até.

você afasta meu cabelo e canta nos meus ouvidos: "I put a spell on you because you're mine..."
sou sua, sim; sempre que nos encontrarmos

Um comentário:

Cuidado!